DOR NA SOLA DOS PÉS (Fasceíte Plantar)







Dores nas solas dos pés são mais comuns em pessoas entre 30 e 50 anos


A fáscia plantar é um tecido espesso que reveste toda musculatura da planta do pé. Ela tem origem no calcanhar (osso calcâneo) e percorre toda a região plantar até chegar à base dos dedos.

Fasceíte ou fascite plantar pode ser definida como a inflamação da fáscia plantar.


Essa inflamação é comum em pessoas entre a terceira e quinta década de vida, sendo a lesão mais comum da planta do pé e uma das principais lesões em corredores, representando 20% das lesões esportivas. Sua causa é multifatorial, porém pode ser didaticamente dividida em três fatores:

-  Fatores anatômicos: alterações posturais, pé plano (chato), pé pronado, pé cavo e diferença de comprimento de membros inferiores;

- Fatores biomecânicos: encurtamento dos músculos da panturrilha (tríceps sural), diminuição da força dos músculos flexores plantares e intrínseco dos pés, obesidade ou súbito aumento de peso e traumas locais;

- Fatores ambientais: erros de treinamento, aumento de treinamento com súbita sobrecarga de velocidade, intensidade e duração de treinos e corrida; corrida em aclives e terrenos irregulares, calçados inadequados e alongamento insuficiente.

O diagnóstico é realizado através de avaliação física, queixas do paciente, palpação da região e exames de raios-X, ultrassom e ressonância magnética.

Entre os pacientes afetados, são comuns relatos de dor irradiada do calcâneo até a base dos dedos, dor intensa ao primeiro apoio matinal do pé no chão e dores durante a deambulação (marcha do dia a dia).


Geralmente a fasceíte (fascite) plantar começa como uma dor leve ou sensibilidade na área da planta do pé próxima ao calcanhar que, gradualmente fica mais intensa e severa.

A fisioterapia tem papel fundamental no tratamento e prevenção da fasceíte (fascite) plantar e de suas complicações, sendo o esporão de calcâneo a principal delas.


Todo programa de fisioterapia para o tratamento e prevenção da fasceíte (fascite) plantar visa à diminuição da dor, controle do processo inflamatório, orientações e reequilíbrio muscular através de alongamento e fortalecimento.

Dica: Aos primeiros sinais de dores na região plantar do pé, procure um profissional para uma completa avaliação e o correto diagnóstico e tratamento, só assim você terá condições de realizar suas atividades esportivas sem maiores complicações. 

Comentários

Paulo Marcos disse…
Sou íntimo desta coisa da Fasceíte plantar...tem-me valido o José Novo.

Obrigado pelo artigo e um abraço quente para o Brasil.
Franco,

É, sem dúvida, um artigo muito interessante e importante para quem anda nestas correrias! Há que dar especial atenção aos factores de risco (ambientais) que podemos controlar e cuidado todas as vezes que vamos correr.

Grande abraço e até breve!
Obrigado pela partilha Franco.

Muito interessante e útil para qualquer um de nós que anda nestas coisas das corridas.

Runabraço
Oz disse…
Um artigo interessante sobre um assunto sempre atual.

Sem quere diminuir o valor do artigo, o mesmo carece no entanto de mencionar que a causa principal da fasceite plantar é o uso de calçado desportivo com amortecimento.

Estabelecendo uma analogia, seria como falar das diversas causas do cancro de pulmão e não mencionar o tabaco.

Obrigado e abraço
João Ralha disse…
O famoso livro "Born to Run" ou "Nascidos para Correr" terá sido escrito também por causa dos problemas de fasceite plantar do autor, Cristopher McDougall.

Ele resolveu-os utilizando calçado sem amortecimento, os conhecidos "5 fingers" ou correndo descalço. Estive com ele num treino no Jamor há alguns meses e ele referiu que conseguia ultrapassar os problemas da fasceite plantar em duas semanas apenas com três exercícios específicos que referiu: saltar à corda, agachamentos e outro que já não me lembro.

E a sua teoria é que estes problemas de fasceite plantar e outro tipo de lesões resultam essencialmente da utilização de calçado com amortecimento no calcanhar, como dizia o Oz.

Runabraços
Caro Franco, tocaste no ponto sensível! Tive esta lesão na sequência do "sprint" na Meia Maratona de Lisboa. Não mata mas moí. Tive de parar uma semana e meio, tratamento com anti-inflamatório, gelo e spray, bem como exercícios específicos. Já estou recuperado e venham os kms. Mas tenho que fazer sempre alongamentos e aquecer os pezinhos...Obrigado pela partilha. Abraço.
muito interessante,obrigado pela partilha abç